Teatro

Teatro na Rede

A interação entre a internet e a tradicional representação com atores no palco permite uma nova forma de arte.

As fotografias e o cinema digitais estão aí para comprovar que a tecnologia também está a serviço da arte. E mesmo o que parecia bastante improvável e até impossível aconteceu. O mundo digital chegou ao teatro. Se o teatro convencional é o espetáculo em tempo real com a presença de atores e plateia, o teatro digital pode ser considerado a presença na ausência, segundo especialistas. Em outras palavras, estar em determinado lugar deixou de ser apenas uma condição física. A internet permitiu que os corpos fossem digitalizados e, consequentemente, o próprio teatro.

“Acredito que o teatro digital sugere a utilização da tecnologia como um acessório que não interfere de modo determinante na linguagem do espetáculo. As expressões cênicas mais atuais apropriam-se das tecnologias digitais e as usam como parte do discurso e isso resulta em uma ampliação daquilo que se quer dizer, ou seja, da mensagem que se deseja transmitir ao público”, diz o ator e pesquisador do chamado teatro digital, Rodolfo Araújo. As principais experiências têm sido realizadas com transmissões em tempo real pela web, o que permite que um espectador em Londres, por exemplo, possa assistir a uma peça que está sendo encenada em São Paulo naquele exato momento. “Quando se fala em teatro digital, eu destacaria, em primeiro lugar, a integração – ao vivo e no mesmo espetáculo – entre países ou cidades diferentes por meio da internet. Ou seja, o espetáculo ocorre como uma grande videoconferência”, explica o pesquisador.

EXPERIMENTOS NACIONAIS

Os representantes e pesquisadores desse novo teatro ainda são poucos, mas já existem bons exemplos aqui no Brasil. Idealizado pela atriz e diretora Renata Jesion e pelo fotógrafo e cenógrafo Nelson Kao, o Teatro para Alguém está prestes a completar um ano. A primeira peça foi transmitida em 27 de novembro de 2008. “O teatro é exatamente onde a gente está, este espaço da sala de casa. É aqui e só aqui que encenamos as peças. A maioria de nossas produções é transmitida ao vivo pela internet. Basta acessar nosso site”, fala Renata.

Mas os primeiros a misturar artes cênicas com tecnologia por aqui foram os integrantes da Cia. Phila 7. “Capitaneada pelo diretor Rubens Velloso, a Phila 7 tem desenvolvido um trabalho notável não somente sobre o palco, mas também no que se refere à pesquisa e ao embasamento conceitual dos seus trabalhos. Eles amadureceram muito a visão sobre a união entre artes cênicas e tecnologia nos últimos tempos com a série Play on Earth”, opina Araújo.

O grupo se formou em 2005, porém, foi no ano seguinte – com o primeiro espetáculo da série citada por Araújo – que ele usou a internet para a criação e apresentação de uma peça. Nesta primeira experiência, três elencos em três continentes encenaram simultaneamente o mesmo texto. “As companhias atuavam ao vivo, com público presencial, mas também com recortes estabelecidos com câmeras que mandavam imagens de um lugar para o outro. E isso era construído com um roteiro, como uma coreografia”, conta o diretor Rubens Velloso. Além do paulistano Phila 7, o Station House Opera, em New Castle, na Inglaterra, e a Cia. Theatreworks, em Cingapura, participaram do espetáculo.

A montagem de What’s Wrong with the World, segunda peça da série Play on Earth, foi feita em abril de 2008, no Rio de Janeiro e em Londres. “Não eram imagens pré-gravadas. O sujeito que estava em Londres realmente estava naquela hora ali. Então, ele chegava em termos de imagem, mas a percepção para o público e para nós artistas era de uma presença clara. Ele estava lá. A gente apenas usava um suporte digital para trazer o sujeito de lá para cá”, diz Velloso.

SEM NOME

Toda essa mistura de meios e formas, entretanto, deixa uma dúvida para quem assiste e até mesmo para quem faz. Será que esses espetáculos podem ser realmente considerados teatro? Para Araújo, não. “Sinceramente, os experimentos contemporâneos não podem ser chamados com tanta certeza de teatro, videoarte ou performance. São obras cênicas que descendem da performance, do vídeo, do cinema, dos games, dos remixes, mas se articulam de maneira a produzir algo que, para mim, ainda não tem um nome”, comenta o pesquisador, mas não sem ressaltar que há, inegavelmente, uma forte teatralidade contida.

O próprio nome escolhido para definir esta nova forma de arte é considerado arriscado, pois pode reduzir o real significado dela. Para boa parte das pessoas, digital é entendido como eletrônico e, por isso, o teatro digital seria o teatro tradicional filmado e postado no YouTube. Definitivamente não é. Por isso, Renata prefere falar em teatro virtual. “É mais correto que digital, pelo menos no nosso caso, mas mesmo assim não é completamente certo, porque você também pode assistir à peça aqui no espaço. Quando se fala em digital e virtual, pensa-se que é só dentro da máquina. Mas a coisa é muito mais viva. O virtual é real, porque existe um espaço e existem pessoas que vêm assistir.”

Para transformar em realidade esses espetáculos, os idealizadores também têm de deixar o teatro convencional de lado e precisam estudar novas formas de pensar. “Temos de pensar sobre estas formas que não eram pensadas antes. Para desenvolver o olhar, você tem de buscar novas estruturas de entendimento. Não adianta pensar em teatro, em vídeo, em imagem, tudo separado. Você tem de entender quais são as relações novas, sensíveis e concretas dessas novas formas de aproximação para poder reciclar a forma de ver o mundo”, ensina Velloso.

E parece que toda essa complexidade tem uma explicação bem simples. O teatro digital, ou como você preferir chamá-lo, surgiu para democratizar a cultura. “E a gente tem conseguido. Era uma revolta fazer uma produção enorme, ir atrás de tudo e de todos e entrar numa sala de teatro e ter pouco público. Hoje, são 300 peças em cartaz, se 20 estiverem lotadas é bastante. É muita gente fazendo teatro de qualidade e pouca gente indo, enquanto a gente lota um Sérgio Cardoso por dia. Temos de 800 a 1.200 acessos diários no site”, conta Renata. “Quando não tem público, é porque tem alguma coisa

errada acontecendo. A gente está querendo romper todas as barreiras e amarras, criando novos paradigmas para pensar como usar eficientemente dinheiro para a cultura de um país tão pobre”, acrescenta Kao.

Até aonde o teatro digital pode ir é difícil responder. No entanto, suas possibilidades de crescimento são infinitas. Por enquanto, o Teatro para Alguém irá se contentar em entrar em outros canais, como o celular, e integrar o messenger ao site para que os espectadores possam comentar e conversar entre si durante as apresentações “sem atrapalhar os atores”. “Não consigo imaginar um ponto final, mas o horizonte que enxergo contempla uma integração, uma orquestração cada vez maior entre a internet, a manipulação de códigos e algoritmos, a inserção de modificações genéticas, a criação de dispositivos robóticos de extensão do corpo, a presença física do ator, a dramaturgia, a iluminação, a cenografia, o uso do vídeo gravado, dentre outros elementos da linguagem já conhecidos, mas que ainda não se articulam de modo a provocar uma sensação de plena imersão nos conteúdos e experiências. Só espero que seja uma arte acima de tudo sem preconceitos e noção de fronteira. Afinal, a rede é infinita”, completa Araújo.

Versão brasileira de Hairspray é sucesso de público em São Paulo

O espetáculo que está em cartaz no teatro Bradesco, de  Dom a Qui, 12h às 20h / Sex e Sáb 12h as 22h00,vem fazendo uma temporada vitoriosa na capital Paulista,com isso o musical se estende até junho. A versão brasileira do musical é baseado no filme lançado em 1988, um dos musicais mais divertidos da Broadway. Com tradução e direção de Miguel Falabella, a adaptação nacional do espetáculo é estrelada por Edson Celulari, Danielle Winits, Arlete Salles, Jonatas Faro e apresenta Simone Gutierrez no papel de Tracy Turnblad. A produção conta com um elenco formado por 31 atores e 12 músicos.

A história acontece em Baltimore, em 1962. Tracy Turnblad, é uma garota com um grande penteado e um coração enorme, adora dançar e o Corny Collins Show, um programa musical da televisão que é a verdadeira febre do momento. Mesmo sendo cheinha para os padrões de sua cidade, decide participar do programa, a única forma dela tornar-se celebridade, ela consegui provar que possui talento e conquista uma vaga de dançarina no programa.

Assim, ela começa a ameaçar o posto de Amber Von Tussle, a estrela do programa e filha da produtora do show. A rivalidade entre as famílias fica ainda mais constante, quando as filhas decidem disputar o mesmo garoto. Para piorar, Tracy vai parar na cadeia ao incentivar uma manifestação contra a segregação racial.Mas tudo é resolvido com laquê, dança e muita música.

Cia. Truks discute sobre as diferenças no Sesc São José

A Cia. Truks apresenta o espetáculo de teatro “E se as histórias fossem diferentes?”, na próxima sexta, às 15h, no Sesc São José.  A peça  foi indicada ao Prêmio Coca Cola Femsa/2008 como melhor espetáculo, melhor texto e melhor ator.

Henrique Sitchin, nesse espetáculo, conta a história a partir do momento em que rei e rainha se casam para serem felizes para sempre. De forma leve e divertida, mostra às crianças que os problemas existem e devem ser encarados como parte da vida, e que a imposição de que é preciso ser feliz o tempo todo é muito cruel para os pequenos.

Utilizando técnicas de desenho e animação de bonecos, o espetáculo conta duas histórias: a primeira fala de um planeta cujos habitantes tomam a forma de como os imaginamos e a segunda trata da busca da felicidade eterna e das soluções que valorizam o respeito pelas diversidades e diferenças.

A Cia. Truks – Teatro de Bonecos foi criada em 1990, e desde então apresenta seus espetáculos de repertório em teatros, escolas, instituições ou espaços alternativos de todo o Brasil.O espetáculo tem entrada franca, com retirada de ingressos com uma hora de antecedência. Recomendação etária livre.

Teatro Municipal, um patrimônio histórico e artístico brasileiro.

Sua idealização se deu por volta de 1903 quando, sendo capital federal, o prefeito do Rio de Janeiro, Pereira Passos, imagina uma cidade totalmente reformada sob os moldes de Paris.

Em 2 de Janeiro de 1905 iniciam-se as obras de um grande sonho…símbolo do ecletismo do início do século XX.

Havia uma necessidade “urgente” a partir da República, de que a capital fosse modernizada para a inserção do país no capitalismo internacional e nenhuma outra cidade no mundo era tão admirada como Paris. Principalmente em sua arquitetura moderna reformada pelo Barão Eugene Haussmann.

A reforma da cidade do Rio de Janeiro feita pelo então prefeito Pereira Passos, demoliu uma boa parte do Rio de Janeiro colonial e permitiu o alargamento de ruas, principalmente no centro, onde foi construído um conjunto formado pela Avenida Central, conhecida atualmente como Rio Branco, além de duas praças situadas em suas extremidades – conhecidas atualmente como Praça Mauá e Cinelândia.

Entrevista com a Primeira Bailarina Cecília Kerche

A arte do ballet torna visível o invisível. Essa percepção é ainda mais verdadeira quando se assiste a uma apresentação de ballet com Cecília Kerche, Embaixatriz da Dança, título outorgado pela UNESCO, cuja história de sucesso faz parte também da história do Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

Confira essa pequena entrevista de Cecília Kerche:

1- Cecília, em sua opinião o sonho de um artista erudito é trabalhar no Teatro Municipal?

CK- Acredito que seja o objetivo, pois se trata do único teatro no país que abriga três corpos artísticos (ballet, coro e orquestra).

A formação de um artista erudito é muito longa e cheia de dedicação e só tem continuidade tornando-se uma carreira, quando este artista faz parte de um corpo artístico numa casa de tradição em artes líricas.

2- Qual o significado do Teatro Municipal em sua vida?

CK- Era meu objetivo pertencer ao teatro mais importante de meu país e nele me tornar bailarina principal de seu corpo de baile, foi no Teatro Municipal que aprendi o que é ser profissional e responsabilidade que teria ao deixar como parte da tradição do ballet clássico a minha contribuição.

3- Fale sobre um momento seu, de grande emoção, vivenciado no Teatro Municipal.

CK_- Foram muitos sem dúvida, mas vou ressaltar este:

Em 2007 ao final de uma récita de O Lago dos Cisnes, quando o então diretor do ballet Marcelo Misailidis ofereceu uma homenagem em cena aberta à Berta Rosanova e eu como as mais importantes intérpretes de Odette/Odile da história do Teatro Municipal. Homenagem à qual agradeço ao Marcelo do fundo do coração.

4- Que presente você gostaria de oferecer ao Teatro Municipal no seu Centenário?

CK-. Como instituição, aí eu teria que ter o dom de uma fada madrinha e aproveitar a semelhança estrutural do nosso prédio com o da Ópera de Paris e fazê-lo funcionar tal qual se funciona na França. Aí sim, seria um presentão para o Teatro Municipal.

Teatro Municipal ganhou reforma e modernização

Esta é a quarta reforma realizada no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. As obras tiveram como objetivo restaurar a infra-estrutura e as instalações hidráulicas e elétricas, além da modernização do prédio. A restauração foi iniciada pelo telhado em razão de vazamentos, as pinturas artísticas e a parte elétrica foram refeitas. Na sua recuperação foram usadas 80 mil folhas de ouro e 30 toneladas de cobre. O Municipal comemorou reabertura com festa para convidados,a veja abaixo um pouco da grande festa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: